w w w . s h a n t a l l . c o m

Podemos viver 2011 só por hoje?

dezembro 30th, 2010

Peço, encarecidamente, a quem quer que leia isto, que MUDEM SEUS PARÂMETROS.

As coisas não estão mais funcionando com os velhos modelos, precisamos não de soluções novas para velhos problemas, nem de velhas soluções para problemas novos, mas primordialmente precisamos PARAR DE CRIAR PROBLEMAS!

Olhem pro outro, com a certeza de que este é parte de você, porque não se precisa ir muito longe pra ver que dois, ao longe, são um alvo só.

Quem somos?

Não somos ninguém, somos um único e belo ponto cinza azulado tentando sobreviver a nós mesmos!

Eu ainda não entendo como pode ser mais fãcil mandar uma pessoa tomar no cu, do dizer eu te amo, te quero bem, te desejo coisas boas. Porque? Porque tem que ser assim?

Porque não se pode simplesmente viver e agir sem interesses, sem pretensões, apenas viver, e ser feliz de maneira simples e genuína?

As coisas tem que ser simples e verdadeiras. Tem que se agir com BOA VONTADE.

As pessoas falam muito sobre TOLERÂNCIA, mas ninguém se esforça pra ser tolerável.

Fale baixo, fale com calma, respire fundo, olhe nos olhos, diga que algo é belo quando sente que é, e quando algo lhe parecer feio, torne o mais bonito, e se esta não é sua natureza, faça com que seja, mude pra melhor, escolha mudar pra melhor, só por hoje!

O ser humano acontece em um ponto de intersecção entre o divino e o bestial. Somos macacos com alma de anjo, e sem asas. Podemos esclher agir como um ou como outro. A escolha é nossa.

Sejamos alados só por hoje. É fácil ser animal, é terrestre, ficar sobre 4 patas, de joelhos a vida toda é fácil, tornar-se capaz de alçar grandes vôos é que é difícil, requer boa vontade, autoconhecimento, força e foco.

Eu não divido o meu tempo em meses, anos… eu tenho que pensar só por hoje, porque estou consciente de que é apenas isto que temos.

Só por hoje eu vou olhar pro outro como gostaria que olhassem pra mim, só por hoje vou falar manso, vou pensar melhor, vou agir com paixão, reagir com amor e CALMA. Só por hoje.

O meu pra sempre nunca acaba, porque meu pra sempre é só por hoje.

Só por hoje não vou permitir que tirem meu foco, se doer, vai doer, mas não vou deixar de ter paixão pelas coisas, não vou me render ao banal, e não se rendam. Tudo que é fácil não presta. Às vezes o que parece bom vem pra dominar, tirar a liberdade e destruir, te fazendo andar em círculos correndo atrás do próprio rabo.

Eu não fumo, não bebo, não uso drogas e sou a pessoa mais retardada e livre que conheço. Não preciso de substâncias pra me libertar de mim mesma e das convenções, conveniências dos condicionamentos.

Será que dá pra ser assim?

Será que 2011 pode ser um ano melhor só por hoje?

Será que a gente pode ser menos destrutivo? Mais tolerável? Mais agradável?

Será que a gente pode mudar de canal quando a notícia for ruim?

Será que a gente pode conversar horas e horas falando apenas sobre coisas e ideias e nenhum pouquinho sobre a vida do outro?

Será que a gente pode um olhar pra cara do outro e dizer NOSSA QUE INCRÍVEL, A GENTE TÁ VIVENDO NO MESMO INSTANTE NO TEMPO, E DAQUI A POUCO ISSO AQUI ACABARÁ, E NÃO É INCRIVEL PODERMOS NOS CONHECER E ESTARMOS JUNTOS MESMO QUE SÓ POR HOJE?

Será que a gente pode dançar de qualquer jeito mesmo que nosso corpo não seja perfeito?

Será que a gente pode escrever errado pra não perder tempo de vida com edições?

Será que a gente pode ficar em silêncio sem que esse seja constrangedor?

Que acha de ser feliz só por hoje?

E se doer? Deixa doer…

Se parecer ridículo… continue dançando…

Se parecer brega e fora de ritmo, continue cantando…

Se sua roupa estiver fora de moda, se pergunte, quem é que inventou que o que tá na moda é moda? Manifeste-se! Invente sua roupa! Se invente!

SOH POR HOJE NÃO SEJA BANAL!

NÃO SEJA IGUAL!

SEJA QUEM VOCÊ É, MAS SEJA MAIS, SEJA TUDO O QUE VC QUER SER!

SÓ POR HOJE!

Poesia Mutista Acinética

dezembro 29th, 2010


A língua se esvai em silêncio,
estorpor,
confusão mental,
interceptação de pensamento.

Desdobramento lento.
Irreal.

A ausência do discurso no poeta
não é vazio,
não é déficit,
não é afasico,
não é anártrico.
É,
pérola xipófaga.
De articulação labial entrecortada.
Labial.
Entre cortada.

Pelo beijo fala o poeta.
Realejo = fala poética.

E a língua, se esvai!
Em silêncio. 

…que essa minha brincadeira com papel e tinta é só brincadeira mesmo, e espero que nunca de, assim, ser!

Cada artista desenvolve com a arte uma relação única…vou dizer como é pra mim. Eu não me relaciono com minha arte, me relaciono com a arte alheia, com a minha o buraco é mais embaixo, é uma reação orgânica.

Não gosto nada da arte pensada, construída, não gosto da arte intelectualizada, polarizada, medida. E nem discuto arte. Gosto ou não gosto e pronto! A arte cerebral, que faz pensar pra mim é momentaneamente interessante. A ideia arte dos ready-mades me agrada. Mas não muito mais que isso.  Minhas ideias são voláteis, mudo de ideia a toda hora, crio outras, invento outras invencionices, e eu gosto disso. Fica a essência. Por isso talvez eu ache a “elite intelectual”  um grande saco! Gente com ar blasé, querendo mostrar que é inteligente, mas quando abre a boca só profere palavras que nunca escreveram, querendo mostrar que conhecem isto e aquilo, mas nunca produziram nada, pra mim é TEDDY RUXPIN… aquele ursinho animatrônico que tinha um toca fitas imbutido na barriga e que falava tudo que ali era gravado… dublava! No me gusta!

Eu não sei quem inventou o conceito de que a arte tem que ser séria, estéril, cáustica… quem inventou que a arte tem que ser burocrática…

Picasso levou uma vida toda pra aprender a desenhar como criança, precisou esquecer tudo que aprendeu pra se lembrar de inventar, pra se lembrar de brincar, pra se desprender de velhos conceitos novíssimos para aquela época.

Miró é que estava certo, soltando aquele bizarro conjunto de insetos no ar. Pendurando estrelas em lugares inesperados. Escadas de Jacó sem dó em qualquer canto, e que encanto havia em cachorros e tocadores de alaúde! Porque não brincar?

Eu odeio a CENA! Todas. Acho dispensáveis.
Quando as pessoas se únem em grupos ou ceninhas, panelinhas e afins, tudo se perde. As pessoas começam  se estranhar pelas suas diferenças, e esquecem das semelhanças e anseios que os uniram.

AVANTE JAHU!

Queria que minha cidade tivesse um pensamento diferente. Aqui tem gente tão doida e desplugada, e ao mesmo tempo tão presas a esses grilhões locais que ditam comportamentos repetitivos e viciados de pessoas que precisam parecer PARECER PARA PARECER SER… acho fraco!

Sempre me tiveram como antisocial! E talvez eu seja mesmo, pois não me sociabilizo pelos motivos tidos como aceitáveis.

Minha mãe dizia que eu tinha que ir às festas de família, porque precisava me sociabilizar, pois isso seria bom pra mim no futuro, quando terminasse de estudar e precisasse de um emprego. E eu pensava.. ” que podre! ” … as pessoas tem que se dar porque querer se dar, e não por interesse, e quando eu dizia isso, minha mãe dizia que o mundo não funcionava assim…. REALMENTE, o mundo não anda funcionando nada bem desse jeito. Esse é o jeito que não funcionou, será que ninguém percebeu isso?

Sou diferente, eu não sinto a solidão, eu não sinto falta, não gosto de sair, não gosto de interagir, e eu sei que isso pode parecer estranho, porque quem convive comigo sente o contrário, mas quem convive comigo sabe, que não me relaciono com muitas pessoas, e que meus relacionamentos se dão por meio de identificação eidética. Se não tenho afinidade, não rola. E sinto afinidade com o que difere de mim, pois me acrescenta, não tenho relações homogêneas, não quero fazer parte de um grupo de mim mesma, quero e gosto de pessoas outras.

Não sou o tipo de pessoa que se dá bem na vida. Porque não me relaciono por interesse, fico na minha, talvez, porque meu maior interesse seja, ser feliz. E eu percebi que o ser humano não existe pra ser maquininha, a gente é hobbit, é bicho que sente falta de tudo que nos faz falta, mato, céu, sol, bicho…

A maioria das pessoas leva uma vida inteira pra entender que tudo o que precisam pra ser feliz quando adultos não é muito mais do que precisavam quando crianças. Que as coisas não mudam, que o que acontece é que tudo cresce, se ramifica, cria sinapses, mas em essência, todo mundo ainda quer o mesmo, e só aquilo é capaz de nos fazer genuinamente felizes.

Resolvi não perder tempo com essas coisas, e brincar das brincadeiras de gente grande. Levar uma vida leve, sem problemas, sem encrencas, sem frescurites. Porque assim me faz bem.

Então, a arte pra mim é isso, é brincadeira.
É necessidade, é felicidade, é ilustrar o livro da vida.

Quando expus na galeria, recebi a visita de uma moça que se disse artísta plastica, e esta olhou pros meus desenhos, como se tivessem uma importância menor, por não serem feitos com tela e tinta óleo, e me deixou bem claro, que ela era artísta plática, que pintava a óleo, e que tinha errado o local, pois a exposição que ela gostaria de ver, era de uma outra pessoa, de uma senhora, dessas que também usam óleo sobre tela.

Eu uso látex sobre papel velho.

Mas Picasso usava qualquer tinta sobre qualquer coisa. Então, o suporte não importa! O que importa é a suprir a necessidade de fazer.

Por isso não exponho, e provavelmente não volte a expor. Porque não tenho essa necessidade, minha necessidade é fazer. Depois, se eu não tenho espaço pras obras, tanto faz o fim que vão ter, tenho que pensar no que me dói, no que me agrada. E fazer o Deus que mora em mim feliz!

Não bebo, não fumo, não uso drogas! Por um imenso respeito a mim mesma. Por auto-estima. Mas pessoas da minha cidade, como aquela PERUA EMPOADA vestindo oncinha e dourado, com seu les blondissimo platinado default, me olham como se eu fosse o ó do borogodó! E olha, eu amo oncinha, e amo les blondissimo platinado  auhauha… mas não tenho a menor paciência pra esse pensamentozzzzzzinho jauense acadêmico tacanho, que faz as pessoas sempre andarem em círculos correndo atrás do próprio rabo, e fazendo pose pra sair no jornal local …

AVANTE JAHU! ASAS AO JAHU!

Jauenses passam a vida olhando pra parede, contemplando o mais belo dos quadros, sem perceberem que NÃO É UM QUADRO, É UMA JANELA! ADIANTE! Transponham essa parede, o mundo é bão, Sebastião! Vai muito além do por-do-sol dourado, púrpura e grená do Morro Vermelho!

Também não sou nada zen! Odeio tudo que é muito zen! Odeio quem odeia o ódio!  hehe

Acho que a supressão do ego é tão burra quanto a egolatria!

Acho que o equilíbrio entre centrar-se no ego e a macrovisão de que somos apenas um falso ego, micropartÍcula de um ego maior, é o que há, meu chapa!

Vivamos com alegria, com boa vontade, com boa intenção, que a felicidade vem. Não a felicidade made in paramount, a felicidade de sentar na calçada e desenhar com caco de tijolo, de ter o dodói do joelho curado com sopra de mãe falando que quando casar sara, felicidade de ver filho nascer, de ver filho crescer, de lembrar de quem já se foi, de saber que já já vamos ir e que é melhor curtir o ficar sem pensar que nem vai durar… e daí? O que importa?

O suporte não importa.

O suporte só importa pra almas insuportáveis.

Brinquem, sejam menos acadêmicos, menos presos, menos condicionados.

Eu  não sou antisocial, eu gosto de me sociabilizar pelos motivos certos. Só isso. De graça! Sem escambo! Por prazer! Por um sorriso sincero! Porque é bom e pronto!

Vamos?

Vamos brincar de um mundo que funciona dessa vez?

Se não for assim, eu nem quero!

Mudo o mundo todo dia! =)

Música pra hoje, que tal?

 

xD

A vida voltando ao normal

dezembro 27th, 2010

Não sei lidar com gente. #fato.

Não quero, lidar com gente e não preciso lidar com gente.

Preciso de papel, de tinta, de cola, de espaços vazios, de silêncio, de tempo pra pensar, pra criar, e muita disposição pra ser feliz.

Me cansa ver o quanto as pessoas se metem em enrascadas, o quanto elas criam problemas pra resolver, porque precisam de um motivo pra viver, então precisam se sentirem úteis, e uma boa maneira humaninha de se sentir útil é resolver problemas. E para resolvê-los é preciso criá-los.

Enfim, eu não sou desse tipo. E sinceramente não me interessa nada um dia vir a ser.

Dia desses encontrei um colega de infância, que era o cara mais legal, mais engraçado, mais menino maluquinho do mundo, o cara que todo mundo gostava, que as tias da limpeza amavam, que as mocinhas da cantina achavam o maximo, com quem as professoras brigavam mas morriam de paixão por ele… e? Adivinhem só, o cara hoje é um cara de 35 anos, sozinho, não apenas solteiro, mas sozinho, da pra sentir uma solidão que lhe preenche o vazio entre as células, um menino triste, com sindrome de palhaço… TRISTE…  ainda eh cheio de brincadeiras e risadas, mas eh aquele humor de palhaço que chora nos bastidores.

E é isto que a vida faz com quem faz da vida algo banal.

Dinheiro é bom, mas ele serve apenas pra resolver problemas, pra substituir sacas de sal, e tornar a vida mais fácil. Mas hoje em dia, você é o que você tem, ou o que parece ter kkk  ai vira um cara sozinho, com pequenas alegrias sem nem mais saber o que eh felicidade, enchendo o cu de pó, pegando menininhas que só ficam com você pelo status que tem e não por quem você é,  fechando boteco com um monte de velhos decrépitos, mal amados, tarados e vazios, que assim como você esqueceram quem eram, quem queriam ser e se contentaram em ser apenas o que estava a mão… e?

O FOCO DA VIDA É ESQUECIDO.

Eu não quero ser assim jamais… tem coisa pior do que aquelas TIAS DA BALADA? Já deram pra todo mundo, já serviram de penico pra metade da cidade, se acham sexy e não percebem que são apenas mulheres vulgares e encalhadas, dizem que não querem se casar mas na verdade ninguém quis casar com elas… e se um dia se casarem será com alguém mais novo a quem vão sustentar kkkk ACHO PODRE… FRACO… desastrosamente FRACO.

Eu não preciso ser gentil, não preciso ser sociável, eu posso me dar ao luxo de dizer apenas FODA-SE.

Posso dizer que “não quero” ao invés de inventar uma mentira do tipo “não posso” … !!!

Não faço parte do esquemão, meus irmãos.

Hoje é segunda-feira, dia 27 de dezembro, e eu vou cuidar das minhas plantas, cuidar dos meus cachorros, ler um pouco de Dostoiévski porque ganhei um livro e vou começá-lo hoje, depois quero limpar minha piscina e ficar fazendo toooodo nada que eu for capaz de fazer.

Meu espírito não existe para ser um perpétuo domesticado!

#fato

Continuo a changeling que sou.

^^

De fato, não perco nada em ser como sou, e viver da maneira que vivo.

Perco é quando tenho por, um ou outro motivo, que me relacionar com pessoas. Perco a alma. Perco tempo. Perco a paciência.

Estou bem assim.

^^

Pensando poesia?

dezembro 26th, 2010

Às vezes recebo uns comentários acerca das minhas poesias, que me deixam de cabelo em pé!

Não vou dizer que a poesia é algo particular, pois, a poesia é algo tão particular que alguns podem ter uma visão mais particular ainda a considerando algo não tão particular assim.

Escrevo porque prec iso, é como fazer meu suco matutino de abacaxi, couve, salsa e hortelã adoçado com Stévia. Não faço o suco porque quero que vejam meu suco, e gostem do meu suco… eu faço porque preciso, senão fico mal por causa daquela minha cirurgia desabsortiva.

Enfim.

As críticas pertencem aos críticos. A poesia a mim pertence.
Me agrada mais escrever poesia, do que críticas. Por ai se vê, quem, é dado a que.

Fato bíblico, eu escolhi a melhor parte e essa não me será tirada. Paixão. Eu creio em um Deus que age por paixão extrema! E paixão, sabe neh… é loucura.

Gosto de ler poesia, mas confesso que prefiro que leiam pra mim. Acho um tanto carinhoso poder me deitar e escutar que alguém leia pra mim. Me agrada, me deixa em transe.

Prefiro ouvir do que ser tocada. E quando o que ouço é capaz de me tocar, ai, eu surto, com direito a avarias cerebrais irreversíveis.

O André Galvão de França, pessoa peculiar, que ainda não conheço direito, mas que tem um olhar que me agrada e conhece um monte de coisas, lugares e gente que eu não conheço. Me disse do Rodrigo Garcia Lopes, e me disse um tanto bem, e me disse tão bem que eu nem tive como não querer saber mais e um tanto mais, e que bom encontrar gente que sempre se tem mais pra conhecer. Geralmente as pessoas me dão pé, e eu gosto mesmo é de me afogar, de perder o ar, de entrar em desespero.

Rodrigo Garcia Lopes…

olha que grande dileção   autografado xD

xD

dava tudo pra voltar no tempo e ter poder de bilocação nesse dia viu ¬¬

Mas voltando a falar em poesia… ainda não consigo escrever… ainda não… o processo ainda se dá de maneira oral… continuo gravando direto, e depois transcrevendo… ¬¬  eh, eu sou uma farsa!

Bjuz e ateh.. xD

Dizem que o dia mais especial do ano, é aquele em que nasce o primeiro unicórnio da estação…

Mas hein?

Eu não sei como é para a maioria das pessoas, mas vou dizer como funciona pra mim. É sabido e notório que eu não gosto de sair de casa, que eu odeio correria, que quando mais sozinha eu fico, mais feliz eu consigo ser, porque pessoas geram problemas e eu não sei lidar com problemas…

As pessoas me consideram muito boa em resolver problemas, e isso se dá exatamente porque não sei viver com eles. Apareceu, eu resolvo. Mas minha maneira de resolver os problemas nem sempre é a menos dolorosa, pois geralmente eu resolvo a causa MESMO. E não o que causa a causa, e nem penso em lidar com as consequências. E geralmente, os problemas genéricos são causados por pessoas, e eu simplesmente me afasto de gente nefasta, ou as afasto da minha vida. Não tenho tempo pra perder com quem é perda de tempo.

Esses dias que passaram foram bem estranhos, e eu confesso que apenas ontem consegui me recompor… hoje estou me sentindo melhor… e sei que amanhã vou estar melhor.

De repente minha casa virou uma bagunça. E desde que meu pai faleceu, toda bagunça foi enterrada com ele, toda dor, todo dissabor, e todas as coisas ruins. E de repente, minha casa tava de ponta cabeça de novo. Descobri que se meu ambiente não está organizado, minha cabeça não funciona. Eu não consigo colocar as coisas em ordem, meus pensamentos, não consigo criar, não consigo executar as coisas que pretendo. Imagina isso, é complicado demais lidar com esses disturbios.

Mas agora a coisa está organizada, e tudo entra nos trilhos de novo.

Estou montando uma outra exposição. A expo do Festival de Literatura Hilda Hilst, foi legal, apesar da galeria estar bastante danificada por uma exposição anterior, em que detonaram a galeria. E apesar de não ter dado tempo de fazer tudo o que queria pois me dispus a fazer outras coisas além de cuidar da minha expo.

Mas enfim, valeu pela experiência, e por ter trabalhado junto com a Magalhães no zine. Foi bastante interessante.  Um grande prazer, eu diria.

Apesar da correria ter ficado pra tras eu sei que outras correrias virão. E tenho que estar melhor preparada emocionalmente e fisicamente pra isso. Pois não posso deixar de lado minha dieta, ter ficado esse mês sem comer os itens da minha dieta, me fez extremamente mal, e eu fiquei cheia de caimbras e dores musculares de novo. Mas estou voltando a normalidade novamente.

Tenho que aprender a me preservar um pouco, essa minha mania de não saber viver em doses homeopáticas, por vezes, me debilita. Tenho que aprender a manter um certo distanciamento, aprender a me manter com um braço de distância de certos problemas. Talvez tenha que aprender a ser mais egoísta, a não me doar tanto pra pessoas que não seriam capaz da mesma entrega. Apesar de achar que esse é o tipo de aprendizado que não se deve aprender pois não traz nenhuma sabedoria, tampouco alguma evolução.

Mas por outro lado penso, evolução sem preservação me levará onde? Não quero virar santa não… coisa mais chata.

Tenho é que cuidar de mim em primeiro lugar, até por respeito ao deus que em mim reside. E para não cair numa filantropia hipócrita…

Estou feliz, e isso é o que importa no final das contas. Certo?

Briga de cachorro grande!

dezembro 8th, 2010

Claro que eu trato bem os meus amigos… eu até deixo que eles saiam do quadro ^^

Eh.. eu moro numa casa mágica, e ela é mágica pq só deixo entrar fadas, e elfos e meninas vagalume!

Agora vambora!

Acordei daquele jeito! Todo dia agora acordo daquele jeito.
Tem gente que acorda abrindo os olhos!
Eu não, eu acordo de olhos fechado e quando abro já to em pé berrando o nome de algum bicho!

- Malelo normalmente correndo da Mixuruca passa por cima da minha cabeça como se esta não fosse algo importante ( vai ver, não é!)

- Cruela normalmente vem do lado da minha cama me fucinhar porque quer fazer coisinhas no quintal ( menina limpinha pede pra ir ao banheiro )

- O Bruce Lee é um espeto! Pega pra latir e não para até que eu berre bruciliiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii e afe, tem i que não acaba mais nesse berro vocês conseguem imaginar o que é um berro desses com minha voz ardida?

- A Dominiqueniquenique é outra sacoleta, pega pra latir porque qualquer outro começou, maria vai com as outras!

- Mixuruca bate no malelo e depois se vê no direito de descontar sua alegria em mim, deita no meu travesseiro e começa a lamber minha sobrancelha… coisa deliciosa, ainda mais vinda de um gato que nem tem a língua áspera.

Mas pior mesmo é de final de semana, quando o fdp do meu vizinho acorda e pensa ” Minha vizinha é tão legal que vou acordá-la com Fernando e Sorocaba!!!

É a vida é bela!

Em marte, deve ser!

Estou só o pó da rabiola!!!

Terminada a arte do zine, onde infelizmente não pude me manifestar do modo como gostaria, consegui dormir direito hoje. Agora tenho que pegar firme nos trampos da expo! Fazer uma capinha pro cd de poesias, e mandar uns emails pra espanha, pois espero que role uma expo lá… ai sim, vou preparar algo de gente grande. Mas não pretendo ir pra lá… gostaria de montar a expo e enviar…  essa coisa de cruzar o atlântico pra mim ainda é complicada… mas deixa pra lá… isso não é coisa pra agora..

A notícia boa é que ganhei uma publicação de 500 exemplares pra fazer um zine com 20 páginas… meu, meu só meu .. aeeee xD

A notícia ruim, é que tenho dois cachorros a mais agora… e nenhuma grana pra sustentar eles kkkk que maravilha… até fevereiro to com a corda no pescoço.. pq? Por causa de outros dogs que foram pro Hospital Veterinário, duas cirurgias, uma dermatite, uma otite, e por ai vai.. ainda to pagando… o radiador do gordini tá consertando, o carro que usamos pra resgatar dogs é uma belina, pois tem que ter espaço e tem que ser toda lavavel por dentro, por causa do estado em que pegamos os dogs, muitas vezes todos infectados.. então tem que dar uma faxina geral com cloro e sabão… ta no mecânico, e depois vai pro tio da parte elétrica… e quem sabe no ano que  vem pra pintura, quero fazer patinhas de bicho nele… mas deixar ela tipo ambulância!

É a coisa tá ficando complicada kkkk

É o problema de se ter uma bosta de um coração!

Eu preferia ter seis dedos em cada pé… acho que seria mais equilibrada e menos sentimental!

Mas enfim, voltando ao início…

Acordei, daquele jeito!

Com o Bruce Lee se atracando com o dog de rua que está sendo cuidado após o resgate. Meu, que começo de dia!!!

Depois posto foto dele…

fica a foto da boxer… resgatada no final de semana.

PELE, OSSO E CORAÇÃO PULSANDO!
Está recebendo tratamento intensivo, só come, dorme e é medicada.Logo logo posto foto dela recuperada!

Esperando por uma família. Dócil, linda, meiga, amiga e bochechuda!

¬¬

E SOBRE O AMOR? QUERO MAIS QUE ELE SE FODA!

kkkkk

bom mesmo é a porção de polenta frita com bacon e parmesão do Villa!

E que venga el toro! Pero em forma de bife!

afe ¬¬

EEP OPP ORK AH AH

^^

Um pouco sobre revolução!

dezembro 7th, 2010

De tanto pensar grande, e andar a passos largos.. pensando em algo sempre maior…. é que o mundo deu no que deu… ou seja.. não deu… e se a gente continuar assim não vai dar mesmo…

Eu acredito em revolução.

Eu quero sim mudar o mundo, eu acredito nisto, eu mudei o meu mundo, eu mudei meu foco, mudei e estou mudando tudo que posso, escolhendo o lado bom das coisas. Escolher as coisas certas, nem sempre é fácil, eu diria que, na verdade, é sempre o caminho mais difícil.

Morava na cidade, queria ser uma pessoa mais calma, queria levar uma vida mais sustentável, queria não ser algo nocivo pro meu mundo, NOSSA QUEM ME VÊ DIZER ISSO VAI ACHAR QUE EU SOU UMA HIPPIE ! Não, eu não sou hippie, eu não sou zen, nada zen, eu sou nervosinha, tenho deliriuns e trimilikes, tenho avarias, tenho pânico, dou TILT, então resolvi me mudar pra roça…

Bem que queria morar em um sítio, mas a grana só deu pra comprar uma chácara… tá beleza… por hora até que tá…

Inventei de imprimir nos meus dias e horas, minhas palavras e pensamentos…. viver a minha realidade interna, projetar ela nas coisas a minha volta…

Eu sou uma pessoa complexa de hábitos simples. Eu adoro dizer que sou DO LAR, acho lindo… sim, eu sou DO LAR, acho fauve.

Dinheiro não é o foco principal da minha vida, a felicidade é.

Meu pai não foi um bom pai, coitado, ninguém ensinou ele a ser pai, ele  sempre morou do lado da mãe dele, até beirando os 60 anos, ele teve os pais do lado dele… até beirar os 70, teve a mãe por perto, ele sabia ser filho, ser namorado, mas não sabia ser pai, ser marido, ele era um moleque. Eu demorei pra entender isso, que ele não teve espaço pra crescer. Ele sempre teve quem cuidasse dele, sempre trataram ele como criança que só faz merda. E assim ele seguiu. Meu pai morreu num dia de abril, e eu já nem me lembro qual. Sozinho. Mas e daí? Ele não viveu sozinho, não teve um di sequer que ele não tenha bebido com os amigos, saído com mulher… meu pai era um idiota, destruiu tudo que o pai dele construiu, mas sabe… ele VIVEU.

Vejo meu irmão, ai, pobre do meu irmão… meu irmão é tão pobre, tão pobre, que só tem dinheiro!

Tem uma vida financeira boa, leva uma vida confortavel, mas quando eu olhei nos olhos dele pela última vez, vi um vazio ENORME. Eu vi, ninguém me contou, eu vi… tava lá… pra quem quisesse ver…

Pior que morrer sozinho, é viver sozinho, e pior que viver sozinho, é VIVER SOZINHO RODEADO DE GENTE!

Caramboleta, eu não sirvo pra isso. Eu posso ser maluca, posso ser doida, posso ser considerada uma destemperada… mas quer saber…

EU SEI SER FELIZ, porque eu inventei que sei que sou, porque eu inventei que desejo coisas, e inventei um jeito de inventar de conseguí-las.

Todo mundo diz que minha vida é mágica, que eu transformo as coisas, sim, é verdade, e querem saber o porquê? Por causa da REVOLUÇÃO!

A revolução da doçura, o propagar coisas boas, o não esperar que te peçam ajuda pra ajudar, o não esperar que te digam que estão com sede pra oferecer um copo de água.

Eu não falo de mudanças em si, eu falo se projeção, de viver seu mundo interno projetando este em seu mundo externo.

Você ainda se lembra do que queria quando era criança?

Lembra de como tudo era novo e não lhe causava estranhamento?

Pois bem, um dia alguém lhe disse que o mundo não era cor-de-rosa, e que você tinha que viver no mundo real, MAS QUAL É O MUNDO REAL?

O mundo medianamente adequado as necessidades da colônia de bactérias onívoras devorando a biosfera?

Não!!!

Deixa seu mundo ser cor de rosa!

Se cada um projetar seu mundinho no mundão, a coisa vai funcionar, porque do jeito que ta funcionando… NÃO TA FUNCIONANDO.

I´m a daydreammmmmmeeeerrr!

ever

Sinais insólitos

dezembro 7th, 2010

No studio de gravação do Betinho Padrenosso.

Tenho muitas coisas pra contar mas isso fica pra uma outra vida…. nesta quero falar baboseira mesmo… vamos lá….

Parte do que me aflige agora…

As pessoas dizem que eu sumo! É verdade, eu sempre sumo, eu tenho meus momentos, confraternizo, sociabilizo, e sumo.

Mas como estou sempre comigo, não chego a sentir minha falta. Odeio mesmo é sentir falta de algo, de alguém, de alguma coisa eu nem ligo…

Hoje testou  sentindo aquelas duas saudades de novo… a saudade de gente viva e a saudade de gente morta. É um saco!

Eu já disse que odeio essa mania besta que gente tem de morrer, mas também odeio essa mania idiota que a gente tem de agir que nem idiotas.

E o que é essa merda de vida além de um monte de segundinhos frívolos pros quais a gente insiste em dar importância pra não ter que enxergar que a nossa beleza está na ínfima importância que temos… quase nenhuma. Não valemos mais que uma drosóphila. Mas a gente acha que vale, e às vezes, uma parte bem dispensável da gente, aquele falso ego, faz com que a gente acredite mesmo, que é importante, mais importante do que o ego maior do qual somos grãos de areia, caindo na ampulheta do tempo… BAH, a gente já era. Se você não brilhar esse troço que vc tem em vc, não tem sentido. Existir tem que se justificar apenas pelo fato de que, existir é foda e improvável. A gente não passa de imaginação. Então esse aperto no peito que eu to sentindo agora, esse nó na garganta e esse embassamento aquoso nos meus olho é tudo culpa da merda de uma coisa chamada orgulho?

Porra, eu to morrendo de saudades, e tenho que ficar aqui, fingindo pra mim que não to sentindo falta, fingindo pra mim que não me lembro mais do que não conseguia esquecer até um tempo atrás, meu Deus, cadê minha memória, é por isso que ela não presta? Pra que eu esqueça as coisas que me machucam? É, isso funciona bem, e me dói não me lembrar.

EU NÃO ME LEMBRO!

E quando não se lembrar é diferente de esquecer, a gente sente isso.

Esse comboio de cordas maldito!

Eu não sei lidar com sentimentos? Claro que eu sei, eu sei sentí-los e me entregar a eles, pois acho que me devo isso, acho que se eu não fizer o que quero fazer, estou deixando de alimentar minha alma.

“O desejo é a fome da alma.”  – Já dizia a Shantall.

Eu queria poder dizer que estou bem. Mas eu estou triste, com uma tristezinha peculiar, uma que tem nome, uma saudade que tem forma, um buraco que bem que é do tamanho daquele janjo, daquele cururu, daquele. He-who-must-not-be-named, one of a kind, the one, dr. gori, darth vader…. eh.

E daí?

Outra vez ia escrever um email, e outra vez não escrevi.

Isso não te parece legal?

Antes eu escrevia e mandava, depois passei a escrever e não mandar, agora nem escrevo mais.

Acho que quero me mudar pra outro país.

Estou pensando em estudar alguma língua fora daqui. Pensei em alemão, mas comecei umas aulas de russo. Agora estou sem tempo de novo.

Hoje eu estou bem cansada, atolada de coisas pra fazer, e eu odeio ficar desse jeito. Dependendo dos outros npra fazer o que preciso fazer.

Fico azeda.

Sabe uma coisa que eu odeio nas pessoas, o FALSO EGO.

Eu odeio ter que lidar com gente, porque gente tem que manter a pose sempre, tem que fazer com que os outros acreditem que ela é melhor do que ela é, e eles mesmos tem que acreditar que são melhores do que são, pra que possam ser convincentes. BULLSHIT, bando de carne ambulante imbuída de imperfeição e fezes.

Eu sou uma pessoa bem simples, complexa, mas simples, de hábitos simples. De pensamentos dicotômicos, incoerêntes, cheia de fundamentos, axiomas e pragmática de dar dó… Chata eu, sou uma fundamentalista mutista

 
Proudly powered by WordPress. Theme developed by Shantall.
Copyright © w w w . s h a n t a l l . c o m. All rights reserved.