w w w . s h a n t a l l . c o m

‘masturbação’

novelinha

_ Isso é lindo.
_ Estrelas?
_ Milhares delas.
_ Cadentes?
_ Algumas, despencando do firmamento.
_ Acredita nisso?
_ Firmemente
_ Mente?
_ Só quando digo que te amo.
_ Me da aqui o caleidoscópio.

_ É… isto é lindo.
_ Estrelas?
_ Estradas
_ Pra onde levam
_ Trazem.
_ O caminho para o céu e para o inferno é o mesmo, só a direção é contrária.
_ Desde que não solte da minha mão, por mim, está tudo bem assim

Iluminados por azuis noturnos.
Ele encosta a cabeça no ombro dela.
Ela olhando as estradas no seu caleidoscopio…
Ele olhando as estrelas com um pequeno telescopio escrito Halley.

_ Me dá sua mão?

Ele mostra a mão espalmada…

( Quando você pede a mão de alguém, e esta lhe estende a mão aberta com a palma exposta, é sinal de sinceridade, de confiança. Ela era confiável. )

Ela pega a mão dele, coloca sobre seu umbigo e vai levando sua mão até sua calcinha.

_ O que você está fazendo…
_ Brincando.
_ Comigo?
_ Não, só com sua mão!

Ela coloca seus dedos sobre os dedos dele…
Pede pra que ele não mova a mão voluntariamente e começa a se masturbar com os dedos dele…
Ele observa… e excitado vai para beijá-la.

_ Eu não quero sua boca… eu só quero seu dedo…

Ela tira sua mão sobre a dele… que continua a brincar com ela enquanto a observa.
Ela ditara o ritmo.

Era sempre bom de observá-la.
Ela se move de maneira estranha, e agradável…

_ Gosto das suas expressões faciais – disse ele.

Ela, não estava preocupada com ele…
Nem ouvia o que ele dizia.
Dizer se fazia desnecessário.

E novamente ele tentou beija-la e ela novamente se esquivou.
Ele começou na chorar, com a mão entre as pernas dela.
E ela cafajessecamente disse, chore, mas não pare com seus dedos.

As lágrimas escorreram pro umbigo dela… e a imagem daquele ventre azulado com aquele umbigo brilhante, a sensação quente e molhada que sentia com uma das mãos e a imagem daquela menina gozando foi, o que ele mais tarde se lembrou como o momento poético mais sincero de sua vida.

_ Você me ama? – diz ele não perguntando, mas implorando pra que ela diga que o ama.
_ Não. Eu não amo ninguém, eu só amo os Ramones.

Ela levantou o corpo, subiu a saia e a calcinha azul de estrelas brancas como a da Mulher Maravilha, pegou seu caleidoscópio entrou pra dentro da casa.

E e eles?
Eles nunca se beijaram.

Um dia ela recebeu um sedex, com um gibi noir, que contava a história daquele noite.
E……
Onde nós estávamos mesmo?

Ah….

Proudly powered by WordPress. Theme developed by Shantall.
Copyright © w w w . s h a n t a l l . c o m. All rights reserved.